Estocagem de Lubrificantes requer cuidados especiais

Os fornecedores de derivados de petróleo tomam todas as precauções necessárias para assegurar que os lubrificantes estejam nas melhores condições possíveis quando entregues aos clientes. Estes, por sua vez, devem ter igual cuidado para que, ao ser aplicado, o lubrificante esteja nas mesmas boas condições como quando foi concebido. Normalmente, os lubrificantes não são produtos que exigem cuidados excepcionais. Há, porém, certas ocorrências durante a estocagem e o manuseio que podem redundar em perdas e riscos, prejudicando o lubrificante e resultando, assim, na falha do mesmo, aumento no custo de manutenção e perda de produção.
É necessário atentar, principalmente, para as práticas obsoletas e, então, tomar as medidas preventivas bem simples para evitá-las. Uma vez isto feito, com pessoal qualificado no manuseio de lubrificantes, haverá a segurança dos mesmos manterem as condições satisfatórias, quando aplicados.
Existem algumas regras básicas aplicáveis a todas as operações de movimentação e estocagem. As sugestões seguintes serão bastante úteis. 

- Determine cuidadosamente o local para estocagem escolhendo um ponto central, de modo a reduzir as distâncias ao mínimo, e o mais livre possível de pó, umidade e vapor.
- Se possível, mantenha os lubrificantes no interior do prédio. Assim, a probabilidade de contaminação será menor.
- Se estocados fora, os tambores devem ser colocados deitados, sobre berços, e nunca diretamente no chão. Quando colocados em pé, a água da chuva se acumula no tampo e será absorvida pelo tambor. Se estocados fora, mesmo temporariamente, os tambores devem ser cobertos com capa a prova d'água.
- O local de estocagem interna, seja em edifício separado ou na própria fábrica, deve ser a prova de fogo, com paredes e chão de tijolos, ladrilhos ou concreto, com escoamento adequado de água. A madeira, além de não ser a prova d'água, é de difícil limpeza.
- A limpeza é essencial, seja na estocagem interna ou externa. O local interno deve ser pintado com cores claras, de preferência, e mantido regularmente limpo.
- A ordem é outro fator importante. Mantendo os diferentes tipos e marcas de lubrificantes separados em lugares adequados, haverá menos possibilidades de erro e confusão.
- Quando o produto ficar exposto a baixas temperaturas e for necessário aquecê-lo para a aplicação é preciso ter o máximo cuidado. Se possível, coloque o tambor em lugar aquecido, deixando o produto atingir a temperatura ambiente. Se for necessário aquecimento mais rápido, use escapamento de vapor, mas nunca aplique calor diretamente, com uma chama, no interior do tambor, pois isto causará o derretimento do composto do tambor, resultando em vazamento, além do que também pode prejudicar o produto.
- Lembre-se que a exposição a temperaturas extremas pode afetar alguns lubrificantes. Se houver suspeita, examine o produto antes de aplicá-lo, e se o mesmo parecer anormal, consulte os fornecedores. O lubrificante poderá ser ou não recuperado.
- Seja a fábrica pequena ou grande, a distribuição dos lubrificantes deve ser orientada por pessoal bem familiarizado com os produtos e suas exigências. Esse é um elo vulnerável na série de operações, ligando o lubrificante desde a sua fonte até sua aplicação.
- O mecanismo pelo qual os lubrificantes são levados da sua embalagem para os pontos de aplicação e o equipamento empregado para isso dependerão da fábrica envolvida. Existem bombas que se adaptam aos tambores de óleo ou graxa, permitindo a sua aplicação sem o risco de contaminação ou perdas. Por meio de tais bombas, os lubrificantes podem ser transferidos para unidades menores, como lubrificadores móveis, pistolas ou pequenos vasilhames, e daí para os pontos de aplicação nas máquinas.
- Poderão ser delineados esquemas para aplicação do lubrificante diretamente do tambor, eliminando, assim, a operação intermediária. Por exemplo, um tambor munido de bomba, mangueira e válvula de controle poderá ser montado num carrinho para ser levado aos pontos de aplicação do lubrificante. Também poderá ser idealizado um sistema pelo qual o lubrificante seja bombeado do tambor para os pontos onde seja necessário colocar mangueiras que levam o lubrificante até a máquina. Mesmo no caso do equipamento que utiliza o sitema de lubrificação centralizada, é possível fazer um arranjo para o suprimento do lubrificante diretamente do tambor.
- Todo o equipamento usado na distribuição de lubrificação deverá ficar em um determinado ponto central e mantido bem limpo.
- Quando houver vários lubrificantes diferentes, um sistema simples de código, seja alfabético, numérico ou colorido, deverá ficar bem visível nos tambores, no equipamento de distribuição e nos pontos de aplicação.
- Mantenha registros dos lubrificantes empregados, fazendo-se usar primeiramente os estoques mais antigos.
- Mantenha bem limpo o local da distribuição de lubrificantes. Não deixe acumular respingos, vazamentos e poças, pois é arriscado.
- Mantenha o equipamento de proteção contra incêndio sempre à mão e em condições de funcionamento.


Reinaldo A. Moura,
Diretor da IMAM Consultoria Ltda., de São Paulo.
Tel. (0--11) 5575 1400
   imam@imam.com.br

Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br .