Guia Log

anuncie aqui viu.gif (17726 bytes)

PDM

                                                    
                             
                 Notícias Importantes

ANTT manda baixar pedágio da Via Dutra em 5,26%; concessionária tentará reverter decisão (Reuters 04/02)
A CCR informou nesta terça-feira que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) determinou a redução de 5,26% na tarifa de pedágio cobrada na Via Dutra, principal via rodoviária de ligação entre São Paulo e Rio de Janeiro.
A CCR afirmou em fato relevante que sua subsidiária Novadutra, a responsável pela concessão da Via Dutra, adotará medidas legais para tentar reverter decisão da ANTT.

Vendas de diesel no Brasil avançam pelo 4º ano seguido em 2019; etanol tem recorde (Reuters 04/02)
As vendas de diesel pelas distribuidoras de combustíveis no Brasil subiram 3% em 2019 ante o ano anterior, para 57,3 bilhões de litros, em seu quarto avanço anual seguido, em meio a um aO fluxo acumulado de veículos nas estradas pedagiadas cresceu 3,6% no acumulado do ano passado, com avanço de 3,5% no caso de veículos leves e de 4,1% no de veículos pesados, disse a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), citando dados do setor.
Já em dezembro, as vendas de diesel (combustível mais vendido do Brasil) somaram 4,3 bilhões de litros, uma mínima mensal no ano, com queda de 2,76% ante o mesmo mês de 2018 e um recuo de 10,86% em relação a novembro.
No acumulado de 2019, a importação do país somou 13 bilhões de litros do combustível —neste caso, sem a adição de biodiesel—, alta de 11,66% em comparação com o mesmo período do ano anterior.
As vendas de gasolina C, por sua vez, caíram 0,49% no ano passado, ante o ano anterior, para 38,2 bilhões de litros, enquanto as de etanol hidratado —seu concorrente nas bombas—tiveram expansão de 16,30%, para 22,5 bilhões de litros.
“Esse movimento pode ser explicado pela vantagem competitiva do biocombustível em relação ao combustível fóssil, que persistiu de abril de 2018 a janeiro de 2020”, afirmou a ANP.
Foi a segunda queda anual consecutiva nas vendas de gasolina C pelas distribuidoras. umento de fluxo de veículos nas estradas, informou a agência reguladora do setor ANP.
Já as vendas de gasolina C em dezembro somaram 3,6 bilhões de litros, alta de 3,09% na comparação com o mesmo mês de 2018 e avanço de 10,66% em relação a novembro.
As vendas de etanol hidratado em dezembro registraram 2,14 bilhões de litros, alta de 4% em relação ao mesmo período de 2018 e avanço de 7,86% ante novembro.
“É importante ressaltar que a relação de preços médios entre etanol hidratado e gasolina C se manteve abaixo de 70% durante todo o ano de 2019, dando continuidade à vantagem competitiva do etanol hidratado iniciada em abril de 2018.”
Considerando todos os combustíveis, o consumo no Brasil em 2019 somou 140,1 bilhões de litros, alta de 2,92% em relação ao ano anterior.
                                             ETANOL SE DESTACA
A União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica) destacou em nota nesta terça-feira um recorde histórico de consumo de etanol no Brasil em 2019, da ordem de 32,8 bilhões de litros (considerando hidratado e anidro), registrando alta de 10,5% em relação a 2018.
“Esses números colocam o Brasil na dianteira da sustentabilidade, uma vez que o etanol de cana emite 90% menos gases causadores de efeito estufa (GEE) em comparação a gasolina, sendo um dos maiores mercados consumidores de combustíveis renováveis do mundo”, afirmou a Unica.
A manutenção de um contexto externo favorável para ampliação das vendas de biocombustível possibilitou ao Brasil consumir 2,74 bilhões de litros de etanol a cada 30 dias durante o último ano —a maior média de vendas mensais já registrada em toda série histórica, disse a Unica.
“Por consequência, a participação do etanol (hidratado e anidro) na matriz de combustíveis utilizados pela frota de veículos de passeio e de carga leve (Ciclo Otto – em gasolina equivalente) atingiu 48,3%, a maior desde 2009 no Brasil”, segundo a entidade dos produtores do centro-sul.
O etanol hidratado é utilizado pelos veículos flex, enquanto o anidro é misturado à gasolina no Brasil.


Embraer estuda família de turboélices em parceria com Boeing (Reuters 20/01)
A Embraer está em estágio avançado de análise para lançamento de um novo turboélice a ser desenvolvido em parceria com a Boeing, afirmou o principal executivo de sua divisão de aviação comercial nesta segunda-feira.
A aeronave será do mesmo tamanho ou maior que o turboélice ATR-72, de 70 lugares, que é produzido por grupo franco-italiano e que atualmente domina o segmento, afirmou o presidente-executivo da divisão de aviação comercial da Embraer, John Slattery, à Reuters. A compra do controle da divisão da companhia brasileira pela Boeing está aguardando aprovação de autoridades europeias.
“Ele fica dentro de nosso mercado alvo, que sempre fomos claros em dizer que é abaixo de 150 lugares, e terá uma adjacência natural com a família E2, disse Slattery, referindo-se à família de jatos regionais de 80 a 120 lugares da Embraer. “O estudo do modelo de negócios está indo bem.”
O executivo afirmou que a Embraer não seguirá adiante com o projeto do turboélice se tiver de desenvolvê-lo sozinha por causa do custo estimado em bilhões de dólares, além de outras prioridades da companhia. Mas ele afirmou que não há relação entre o estudo do turboélice e as negociações com reguladores sobre o restante das atividades de aviação comercial da Embraer.
“O volume de recursos necessários para uma nova aeronave comercial estado da arte é de uma ordem de magnitude que nós simplesmente não temos apetite para desenvolver fora do ambiente da joint-venture (com a Boeing)”, disse Slattery. “Sem joint-venture, sem turboélice.”
Ele afirmou que a Embraer continua confiante sobre a venda do controle de sua principal divisão para a Boeing e citou apoio de várias companhias aéreas clientes da empresa.
Embraer também está tendo negociações “significativas” com General Electric, Rolls-Royce e Pratt & Whitney Canada sobre o fornecimento do motor para o possível novo turboélice da companhia.
Analistas afirmam que turboélices são mais eficientes que jatos em distâncias curtas, especialmente em momentos de alta nos preços do petróleo.
A ATR, co-controlada pela Airbus e pela italiana Leonardo, controla cerca de 80% do mercado de turboélices do mundo, com o restante sendo atendido pelo De Havilland Canada DHC-8. A China também está buscando atuar no mercado de turboélices com o futuro Xian MA700.




Gol e Air France KLM prorrogam parceria por mais 5 anos (Reuters 04/11)

As companhias aéreas Gol e Air France KLM anunciaram nesta segunda-feira prorrogação por mais cinco anos de parceria estratégica que já transportou mais de 1 milhão de clientes.
O acordo de codeshare abrange 18 países, incluindo 66 cidades na Europa e mais de 30 no Brasil.
O anúncio ocorreu algumas semanas depois que a norte-americana Delta anunciou venda de sua participação na companhia brasileira para comprar 20 por cento da rival Latam.
“A América do Sul, em particular o Brasil, continua a ser um mercado estratégico para a Air France KLM”, afirmou em comunicado à imprensa Patrick Alexandre, vice-presidente executivo, comercial, de vendas e alianças da companhia aérea europeia.

Gasolina sobe nos postos após duas semanas de baixa, diz ANP; diesel também avança (Reuters 01/11)
Os preços da gasolina nos postos pelo Brasil avançaram 0,18% nesta semana, para 4,386 reais por litro, após terem recuado nas duas semanas anteriores, mostraram dados da reguladora Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.
Já o diesel, combustível mais utilizado no país, também teve leve alta nas cotações médias, de 0,05%, para 3,714 reais por litro, na nona semana consecutiva de aumento.
O maior preço do diesel vem apesar de duas reduções seguidas pela Petrobras dos valores do produto em suas refinarias. A estatal cortou os preços em 3% a partir desta sexta-feira, na sequência de redução anterior, de cerca de 1,5%, em 25 de outubro.
O repasse dos ajustes de preço nas refinarias para o consumidor final nos postos, no entanto, não são imediatos e ainda dependem de diversos fatores, como impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis.
Na gasolina, a última mudança nas cotações da Petrobras foi em 27 de setembro, com alta de cerca de 2,5%.
No etanol, concorrente direto da gasolina nas bombas, os preços tiveram leve avanço, de 0,03%, para 2,928 reais por litro.

Embraer espera conclusão de acordo com Boeing no começo de 2020 (Reuters 03/10)
A Embraer afirmou nesta quinta-feira que a companhia e a norte-americana Boeing continuam a trabalhar de forma diligente e cooperativa para consumar a parceria estratégica entre as duas empresas no menor prazo possível, estimando a conclusão da operação para o começo de 2020.
O acordo com a Boeing prevê uma joint venture composta pelas operações de aeronaves comerciais e serviços relacionados a este segmento da Embraer, no qual a norte-americana deterá 80% da nova empresa, denominada Boeing Brasil – Commercial, enquanto a Embraer terá os 20% restantes.
De acordo com fato relevante, a Embraer implementará a segregação interna do negócio de aviação comercial da companhia a partir do final deste exercício social.
“As partes já obtiveram as autorizações aplicáveis das autoridades concorrenciais em algumas jurisdições e a consumação da operação continua sujeita à aprovação por autoridades concorrenciais em outras jurisdições aplicáveis; e à satisfação de outras condições usuais em operações desta natureza.”
De acordo com a Embraer, até que tais aprovações sejam obtidas e as demais condições sejam satisfeitas, “não há garantias quanto à consumação da Operação ou ao prazo para sua conclusão”.

Volkswagen Caminhões monta consórcio de fornecedores para caminhão elétrico no RJ (Reuters 02/10)
A Volkswagen Caminhões e Ônibus anunciou nesta quarta-feira montagem de consórcio de fornecedores que vai apoiar a companhia na produção de caminhões e ônibus elétricos em Resende (RJ), projeto inserido em plano de investimento de 1,5 bilhão de reais da companhia até 2021.
A empresa, que já usa no complexo fabril sistema de consórcio de fornecedores na produção de veículos a diesel, escolheu como parceiros na produção de caminhões elétricos e também de sistemas de recarga de baterias as alemãs Siemens e Bosch, a sueca Semcon, a chinesa CATL e as brasileiras Moura e WEG.
Outros dois parceiros do consórcio, na área de montagem dos veículos, ainda devem ser escolhidos até o final deste ano com preferência para grupos nacionais, disse o presidente-executivo da montadora, Roberto Cortes.
A empresa tem um acordo preliminar com a cervejaria Ambev para a venda de 1.600 caminhões elétricos com entrega das primeiras unidades a partir do final de 2020.
“A ideia é utilizarmos a linha de caminhões atual de Resende, mas com uma bifurcação para a parte da eletrificação”, disse Cortes, explicando que as baterias serão fornecidas via importação pela CATL, enquanto o motor elétrico será da WEG e a infraestrutura para postos de recarga a serem instalados pelos clientes será da Siemens. Atualmente, a fábrica da Volkswagen Caminhões e Ônibus em Resende tem capacidade para produção de 100 mil caminhões a diesel por ano.
“A única forma de se fazer (viabilizar caminhões elétricos) é com parcerias”, disse Cortes, citando dificuldades de ganhos de escala na tecnologia de veículos pesados elétricos. Ele afirmou que um modelo elétrico tem preço que pode ser mais que duas vezes maior que de veículos a diesel. “Só a bateria é quase o preço de um caminhão”, comentou, sem precisar valores.
A expectativa é que ganhos de economia de escala sejam obtidos em 3 a 4 anos após o início da produção, quando o custo dos veículos poderá ser reduzido, disse Cortes. Segundo ele, o argumento de venda dos veículos por enquanto é economia de custos com manutenção e operação dos elétricos, que seriam a metade de seus equivalentes com motores a combustão.
O executivo afirmou que até o final deste ano a Volkswagen Caminhões e Ônibus deverá anunciar novos clientes para seu caminhão elétrico, capaz de transportar 11 toneladas em ambientes urbanos. “Estamos conversando com vários clientes...Não só no Brasil como na América Latina”, disse Cortes, evitando mencionar nomes ou volumes de veículos negociados.
Mais adiante, entre um ano e um ano e meio depois do início da produção dos caminhões elétricos, a montadora deverá iniciar a montagem de ônibus elétricos, em parceria com os mesmos fornecedores, com exceção da carroceria, disse Cortes. “Já temos clientes interessados, estamos analisando alguns para testar em condições reais”, disse Cortes, citando a Eletra, de São Bernardo do Campo (SP).
O anúncio do consórcio para elétricos da Volkswagen Caminhões e Ônibus ocorreu no mesmo dia em que a associação de concessionárias de veículos, Fenabrave, divulgou que as vendas de caminhões novos no Brasil acumulam alta de 40,65% no acumulado do ano até setembro, apesar do estágio letárgico da economia.
Segundo Cortes, o mercado segue com movimento de substituição de veículos mais antigos, comprados por volta do pico do setor em 2011, por mais novos, aproveitando ainda a redução de taxas de juros da economia.
“Desde meados de 2017 estamos passando por essa recuperação....Com a redução da taxa de juros, a equação financeira (de compra de caminhão novo) se paga com o que se deixa de pagar em manutenção do antigo”, disse o presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus.
Ele estimou que o mercado brasileiro de caminhões deverá continuar apresentando crescimento em 2020. “Não há motivos para se esperar que haja reversão nessa tendência”, disse ele, citando força do agronegócio, responsável por boa parte das vendas de caminhões extrapesados neste ano.



Jundiaí se transforma na capital brasileira da logística de 11 a 13 de setembro (Vitrine 06/09)

A Brasil Log -  Feira Internacional de Logística acontece de 11 a 13 de setembro, no Parque Comendador Antonio Carbonari, em Jundiaí-SP (60 km da capital paulista), com mais de 60 expositores nacionais e internacionais do setor reunidos em um único local, transformando a cidade na capital brasileira da logística. A entrada é gratuita mediante credenciamento online pelo site www.feiradelogistica.com.
Considerado um dos principais eventos do setor no País, a feira chega à sua sétima edição com a expectativa de reunir um público de 7 mil visitantes. “A Brasil Log 2019 promete movimentar o mercado, com expositores de todos os segmentos que englobam o universo logístico, e palestras com renomados profissionais da área ”, assinala o diretor da feira, Adelson Lopes.
Sede da Brasil Log, Jundiaí desponta com um importante polo logístico nacional. “Jundiaí conta com uma infraestrutura logística privilegiada, com importantes rodovias, aeroporto executivo, fácil acesso aos principais aeroportos do País e, recentemente, reativamos a operação rodoferroviária de cargas em contêineres ligando Jundiaí ao Porto de Santos através do TIJU – Terminal Intermodal Jundiaí. Qualidades como estas tornam Jundiaí a sede da Brasil Log – Feira Internacional de Logística, importante evento do setor que vem para agregar ainda mais valor ao município”, pontua o gestor da Unidade de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia da Prefeitura de Jundiaí, Messias Mercadante de Castro.
Segundo Castro, tais diferenciais favorecem o crescimento do setor na cidade com atração de novas empresas, gerando impactos positivos na economia. Atualmente, são cerca de 1.300 empresas ligadas à atividade logística, que empregam, aproximadamente, 12.500 pessoas.
Para Lopes, o potencial logístico de Jundiaí é uma das apostas do sucesso da Brasil Log. "A cidade se destaca como um dos principais polos logísticos do País o que contribui para o sucesso da nossa feira, que tem a proposta de criar um espaço onde investidores, empresários e profissionais da área possam conhecer produtos, tendências, soluções e lançamentos, atraindo um público altamente qualificado, em busca de networking e negócios", reforça.
O diretor de infraestrutura e logística do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) Regional Jundiaí, Gilson Pichioli, assinala a importância da feira para o setor. " Jundiaí é uma cidade altamente significativa do ponto de vista logístico e a realização desta feira confere maior visibilidade à região no contexto nacional e internacional, atraindo investimentos e fortalecendo o setor", assinala.
                                                Rodada de Negócios e palestras
O Ciesp Jundiaí apoia a Brasil Log desde a primeira edição e, a exemplo dos anos anteriores, promove a Rodada de Negócios com o objetivo de reunir empresários do setor logístico para geração de negócios, networking e troca de experiências.
O portal Guia Log também apoia.
O evento conta, ainda, com ciclo de palestras, onde os visitantes terão a chance de se atualizar sobre as principais inovações do universo logístico. Durante o evento, renomados profissionais do ramo abordarão temáticas como Intermodalidade, Logística 4.0, Cadeia Fria, sustentabilidade, entre outras. A programação completa e inscrições para as palestras estão disponíveis no site www.feiradelogistica.com.
A 7ª Brasil Log – Feira Internacional de Logística 2019 acontece nos dias 11, 12 e 13 de setembro de 2019, das 15h às 22 horas, no Parque Comendador Antônio Carbonari (Parque da Uva), Jundiaí-SP, com entrada gratuita com credenciamento online pelo site do evento.
Mais detalhes e informações pelo site da Feira www.feiradelogistica.com .




Caminhoneiros fazem greve em Portugal e governo impõe racionamento de combustível (Reuters 12/08)

O governo de Portugal impôs racionamento de combustível a postos de gasolina depois que caminhoneiros iniciaram nesta segunda-feira greve por tempo indeterminado, além de prometer impedir que a ação trabalhista paralise o país no auge da temporada turística.
Uma greve semelhante ocorreu em abril no que se caracterizou como o pior episódio de instabilidade industrial de Portugal em anos, provocando críticas ao governo socialista, mas, desta vez, um melhor planejamento de contingência pode até beneficiar o governo em uma próxima eleição parlamentar marcada para 6 de outubro, segundo analistas.
O governo declarou uma crise de energia na sexta-feira, o que possibilitou que garantisse o abastecimento total de portos, hospitais, aeroportos e outros consumidores emergenciais, além de decretar funcionamento mínimo à rede de postos de combustível do país.
Cerca de 30% dos postos portugueses estavam sem combustível, mas havia poucas filas nos que ainda se mantinham ativos.
“Gostaria de ressaltar como positivo que os serviços mínimos estão sendo prestados... A situação é de normalidade e civilidade”, disse o primeiro-ministro, António Costa, a jornalistas.
Não houve necessidade de recorrer a um plano de apoio para mobilizar o exército e os motoristas da polícia, acrescentou Costa, embora o governo esteja pronto para acionar essas e outras medidas especiais se o fornecimento for comprometido.
Os caminhoneiros disseram que a greve será mantida até que a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) faça uma “proposta razoável”. Os caminhoneiros querem melhores pagamentos e direitos trabalhistas.
“Até lá, vamos fazer greve por um dia, uma semana, um mês, pelo tempo que for”, afirmou o vice-presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Materiais Perigosos, Pedro Pardal Henriques, responsável pela convocação da greve. O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias também aderiu à greve.



Preço da gasolina sobe nos postos após 12 semanas em queda; diesel também avança (Reuters 09/08)
Os preços médios da gasolina tiveram leve avanço nesta semana nos postos do Brasil, interrompendo uma série de 12 semanas consecutivas de recuo, enquanto o diesel também subiu ligeiramente, mostraram dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) nesta sexta-feira.
Os avanços ocorreram após a Petrobras anunciar alta de 4% no preço médio da gasolina e avanço de 3,75% no do diesel em suas refinarias, a partir de 1º de agosto.
Os repasses dos ajustes no preço dos combustíveis da Petrobras nas refinarias para ao consumidor final, nos postos, dependem de diversos fatores, como impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis.
A gasolina avançou 0,16% nesta semana, ante a semana anterior, para 4,319 reais por litro.
Já o etanol hidratado, seu concorrente nas bombas, subiu 0,36%, na mesma comparação, para 2,798 reais por litro.
O diesel teve uma alta de 0,09%, na mesma comparação, para 3,524 reais por litro, após três semanas em queda.



A logística brasileira perde um grande nome, José Maurício Banzato (Vitrine 30/07)
É com pesar que o Guia Log informa, que perdemos uma grande figura da logística brasileira, José Maurício Banzato.
Profissional inovador, um dos fundadores do IMAM, trouxe do Japão para o Brasil, técnicas revolucionárias para a nossa indústria e gestão em geral.
Muito humano, prezava sempre a integração das pessoas e motivação para se ter um ótimo ambiente de trabalho e assim poder ter o crescimento da corporação, pois pregava em seus ensinamentos, que quem faz a corporação é cada um de seus profissionais, não importando a função ou cargo.
Nos seus 80 anos de vida, sempre praticou o bem e fez amigos por onde passou!
O Guia Log se solidariza com a família e amigos neste dia triste, mas temos certeza, que com o espírito de alegria que o Banzato sempre teve, não ia querer ver ninguém triste!
O velório começou às 9 hs e o enterro será às 16 hs no Cemitério da Saudade Av. da Saudade, s/n - Vila Assunção, Santo André - SP, 09030-030.


MOVIMAT acontece em outubro em São Paulo (Vitrine 26/07)

A MOVIMAT reúne os principais compradores da indústria e dos setores de Distribuição, Atacado, Varejo e Comércio Eletrônico interessados em produtos, serviços, soluções, conteúdo e o que há mais de moderno para eficiência de seus processos logísticos voltada à indústria 4.0, para otimizar custos de produtos e tornar as operações logísticas mais eficientes, ágeis e competitivas.
Realizada junto com a FENATRAN, também oferece capacitação técnica gratuita para o profissional que deseja se atualizar e trocar experiências com renomeados especialistas do setor.
A Feira acontece de 14 a 18 de outubro em São Paulo e tem o apoio do portal Guia Log.


Ecorodovias tem queda de 27% no lucro líquido do 2º tri (Reuters 25/07)
A Ecorodovias teve lucro líquido de 58,5 milhões de reais no segundo trimestre, uma queda de cerca de 27 por cento sobre o resultado positivo de um ano antes, informou a companhia de concessões de infraestrutura nesta quinta-feira.
Segundo a concessionária, a queda no lucro ocorreu, entre outros fatores, pelo aumento de 43,6 por cento no resultado financeiro negativo, que atingiu 176,4 milhões de reais no segundo trimestre.
A empresa apurou lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de 474,4 milhões de reais no período, excluindo receitas de construção de projetos, alta de 17 por cento na comparação anual. O desempenho foi puxado pela entrada em operação das concessões de rodovias em Minas Gerais e Goiás, informou a companhia no balanço.
Analistas, em média, esperavam que a Ecorodovias publicasse Ebitda de 463,9 milhões de reais para o segundo trimestre, segundo dados da Refinitiv. A expectativa para o lucro líquido era de 93,08 milhões de reais.
A receita líquida da Ecorodovias subiu 19 por cento no segundo trimestre, para 694,8 milhões de reais.
A companhia viu a relação de dívida líquida subir para 3,3 vezes o Ebitda ao final de junho ante 2,6 vezes no fim do primeiro semestre do ano passado.


Lucro da UPS supera expectativas com aumento de demanda para entregas em um dia (Reuters 24/07)
A UPS informou nesta quarta-feira que um salto na demanda por seu serviço de entregas aéreas em um dia gerou lucro melhor do que o esperado no segundo trimestre, à medida que grandes varejistas corriam para entregar pacotes para compradores online.
A maior empresa de entrega de pacotes do mundo também reiterou sua previsão para 2019 e disse que estava tirando o volume de entregas aéreas dos rivais nos EUA.
A UPS tem gasto bilhões de dólares para modernizar sua rede. Esses investimentos - que incluem instalações de separação de pacotes mais automatizadas e novos aviões de carga - estão ajudando a conter o custo de entregar um pequeno número de pacotes de comércio eletrônico a endereços residenciais distantes.
O volume de entregas aéreas em um dia aumentou inesperadamente em 30% nos principais negócios domésticos da UPS durante o segundo trimestre, uma vez que a Amazon e outros grandes varejistas adotaram entregas de um dia.
A UPS informou que as entregas de alta margem relacionadas à saúde também contribuíram para o lucro líquido do segundo trimestre, que cresceu 13,5%, para 1,69 bilhão de dólares, ou 1,94 dólar por ação. Os analistas esperavam um lucro de 1,92 dólar por ação, segundo dados do IBES da Refinitiv.
A receita cresceu 3,4%, para 18,05 bilhões de dólares.
O vice-presidente financeiro da companhia, Richard Peretz, disse que “os resultados no segundo semestre serão consideravelmente mais fortes do que no primeiro semestre”, mesmo com a desaceleração do crescimento global, a saída do Reino Unido da União Europeia e a guerra comercial entre EUA e China.




Vendas de combustíveis sobem 2,1% no 1º quadrimestre; etanol segue forte (Reuters 31/05)

As vendas de combustíveis no Brasil somaram 44,76 bilhões de litros no primeiro quadrimestre, aumento de 2,1% ante o mesmo período de 2018, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
A comercialização de diesel, o combustível mais vendido no país, somou 17,98 bilhões de litros nos primeiros quatro meses do ano, aumento de 1,6% na comparação anual, após um ligeiro crescimento em abril, para 4,65 bilhões de litros.
Já as vendas de gasolina C atingiram cerca de 12,4 bilhões de litros no primeiro quadrimestre, queda de 8,4% na comparação anual, uma vez que consumidores têm preferido o etanol, mais competitivo em parte do país.
Em abril, as vendas de gasolina apresentaram reagiram levemente ante março, mas apresentaram recuo de 5,3% na comparação anual.
As vendas de etanol hidratado, concorrente da gasolina, subiram 35,6% no primeiro quadrimestre, segundo a ANP, para 7,16 bilhões de litros.
Em abril, as vendas de etanol hidratado subiram 41,3% na comparação anual.


WEG e Embraer fazem parceria para aeronaves elétricas (Reuters 29/05)
A fabricante de motores elétricos Weg e a Embraer acertaram uma parceria para desenvolvimento de sistemas de propulsão elétrica para aeronaves, com um primeiro voo de demonstração previsto para 2020.
“A parceria, no âmbito de pesquisa e desenvolvimento pré-competitivo, busca acelerar o conhecimento das tecnologias necessárias ao aumento da eficiência energética das aeronaves a partir da utilização e integração de motores elétricos em inovadores sistemas propulsivos”, afirmou a Weg em comunicado à imprensa, sem citar valores envolvidos.
Após testes de tecnologias em laboratório, a parceria vai usar no teste de voo uma aeronave de pequeno porte monomotor, baseada no EMB-203 Ipanema, “que realizará a avaliação primária da tecnologia de eletrificação”, afirmou a Weg.
Segundo o diretor superintendente da unidade de automação da Weg, Manfred Peter Johann, o motor a combustão da aeronave será retirado e no lugar dele será instalado um sistema de motor elétrico e inversor de potência da Weg. A bateria do sistema será providenciada pela Embraer.
“A mobilidade elétrica é caminho sem volta no mundo e queremos verificar se essas tecnologias podem ser aplicadas na aviação”, afirmou o executivo, acrescentando que a Weg começou o trabalho de desenvolvimento no início do ano passado, depois que a companhia foi procurada pela Embraer.
Johann afirmou que é improvável que a tecnologia possa vir a substituir motores a combustão em aviões que fazem voos internacionais, mas o sistema eventualmente poderá ser desenvolvido para equipar aeronaves em trajetos mais curtos.
“É difícil afirmar neste momento...Temos um conjunto de dificuldades a serem superadas. Além do peso da bateria, tem a questão da autonomia também”, disse o executivo.
Questionado sobre que tipo de aplicações a tecnologia poderá ter além da utilização no Ipanema, Johann disse que com a parceria “deverão vir novos projetos. Outros tipos de aeronaves”, após 2020.
No ano passado, a Embraer revelou pela primeira vez seu conceito para o projeto da Uber Technologies de lançar um veículo voador elétrico para transporte urbano, conhecido pela sigla eVTOL, até 2020.
O conceito da Embraer assemelha-se a um helicóptero, mas no lugar de um único rotor no topo e outro menor na cauda, a aeronave para quatro passageiros e piloto tem dois conjuntos de quatro pequenos rotores acima da cabine e um rotor maior montado perpendicularmente na cauda, para dar propulsão na horizontal.
Questionado sobre uma possível aplicação desse desenvolvimento da Weg no projeto com a Embraer, Johan preferiu não comentar.
Atualmente, a Weg desenvolve motores elétricos para caminhões, tecnologia que está sendo testada por veículos de entrega encomendados pela cervejaria Ambev junto à Volkswagen Caminhões e Ônibus no ano passado.

 



Boeing corta produção do 737 MAX após acidentes fatais (Reuters 05/04)
A Boeing anunciou nesta sexta-feira que planeja reduzir a produção mensal do jato 737 MAX em quase 20 por cento após dois acidentes fatais com aeronaves da família, sinalizando que a empresa não espera que autoridades de aviação permitam que a aeronave volte a voar em breve.
As entregas do avião mais vendido da Boeing foram congeladas depois que autoridades de aviação ao redor do mundo determinaram proibição de voos do modelo após a queda de um jato da Ethiopian Airlines em 10 de março, que matou todas as 157 pessoas a bordo.
A produção será reduzida para 42 aviões por mês ante 52 a partir de meados deste mês, informou a empresa, sem mencionar um prazo para a normalização.
Autoridades dos Estados Unidos e de companhias aéreas afirmaram que acreditam que o avião pode ficar em terra por pelo menos dois meses, mas a dilatação desse prazo ainda mais é uma possibilidade séria.
A queda do avião na Etiópia, que ocorreu depois que um jato do modelo operado pela Lion Air caiu na Indonésia em outubro passado matando 189 pessoas, criou uma crise para a maior fabricante de aeronaves do mundo.
O presidente-executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, disse nesta sexta-feira que a companhia agora sabe a cadeia de eventos que causou ambos os desastres, em que uma ativação errada do sistema antiestol MCAS é um “elo comum” entre os casos.
A Boeing, que firmou acordo para comprar a divisão de aviação comercial da Embraer, afirmou que não vai cortar empregos por causa da nova taxa de produção e vai trabalhar para minimizar o impacto financeiro.
A empresa afirmou que continua a obter progresso na atualização de software do 737 MAX para evitar futuros acidentes com o modelo.
As ações da Boeing fecharam em queda de cerca de 4 por cento nesta sexta-feira. Apesar do número de aviões 737 MAX impedidos de voar ser de pouco mais de 370, a empresa tem encomendas para quase 5.000 unidades. A companhia aérea brasileira Gol é uma das empresas que fez encomendas do modelo para a Boeing.

Gol e Latam entram em processo de aquisição de ativos da Avianca Brasil (Reuters 03/04)
A Gol e a Latam Airlines Brasil, afiliada da Latam Airlines, disseram nesta quarta-feira que fariam ofertas de pelo menos 70 milhões de dólares por alguns ativos da Avianca Brasil, quarta maior companhia aérea do país e que pediu recuperação judicial em dezembro.
As duas empresas disseram que foram abordadas pelo fundo Elliott Management, maior credor no âmbito do processo de recuperação judicial da Avianca Brasil.
No mês passado, a Azul assinou um acordo não vinculante de 105 milhões de dólares para compra de ativos da Avianca Brasil, incluindo slots em aeroportos e contratos de leasing de aviões da rival. Porém, uma fonte envolvida no processo de recuperação disse na semana passada que desentendimentos entre a Azul e os credores ameaçaram atrapalhar um acordo.
Pela nova proposta apresentada nesta quarta-feira, a Avianca Brasil planeja se separar em sete unidades que serão vendidas separadamente em leilão. O plano encaminhado ao tribunal que acompanha a recuperação judicial da companhia aérea, marca uma mudança significativa em relação à proposta da Azul e adiciona concorrência pelos slots detidos pela Avianca em alguns dos aeroportos mais movimentados do país, incluindo Congonhas e Santos Dumont.
A Azul não quis comentar sobre a situação de sua oferta. A empresa ainda pode participar do leilão das sete unidades.
Às 14h, as ações preferenciais da Gol subiam 0,75 por cento, enquanto o Ibovespa tinha elevação de 0,7 por cento. A Azul PN caía 0,6 por cento. No Chile, as ações da Latam tinham acréscimo de 3,2 por cento.
Se fosse adiante, a oferta da Azul poderia fazer a empresa mais que duplicar sua presença em Congonhas, elevando os slots da empresa de 13 para 34. Gol e Latam dominam o aeroporto atualmente, com cerca de 130 slots cada uma.
Em comunicado, a Gol disse que a proposta prevê a separação dos direitos de uso de horários de pouso e decolagem de voos da companhia, além do programa de milhagem Amigo, para que possam ser vendidos separadamente a qualquer empresa interessada no processo de leilão. Se aprovado pela Avianca Brasil, a Gol disse que o acordo será apresentado aos credores da companhia em assembleia geral marcada para a próxima sexta-feira.
Segundo a Gol, a nova proposta envolve a criação de sete Unidades Produtivas Isoladas (UPIs), que irão a leilão no processo de recuperação judicial da Avianca Brasil. Seis delas terão os direitos de uso dos horários de pouso e decolagem de voos nos aeroportos de Congonhas e Guarulhos (SP) e Santos Dumont (RJ), bem como os certificados de operador aéreo. A última unidade trará os ativos relacionados ao programa Amigo.
A Gol e a Latam disseram que já se comprometeram a apresentar uma oferta no valor mínimo de 70 milhões de dólares por pelo menos uma das UPIs.
A Gol informou que também se comprometeu a adquirir da Elliott 5 milhões de dólares em financiamentos pós-concursais, na medida em que estes forem concedidos por ela à Avianca Brasil, entre esta quarta-feira e a próxima sexta-feira.
A Gol poderá conceder financiamentos adicionais no montante de até 8 milhões de dólares no curso das próximas semanas para promover a liquidez da companhia.
“Simultaneamente, a Gol concederá um adiantamento para a Elliott no valor de 35 milhões de dólares. Este montante será restituído caso a Gol ou outro interessado adquira a respectiva UPI no leilão, ou ainda se outro plano de recuperação judicial que envolva venda de horários de pouso e decolagem for considerado válido e aconteça com sucesso”, afirmou a nota.
Em contrapartida, pela concessão do adiantamento, a Elliott pagará para a Gol uma parcela dos recursos efetivamente recuperados no processo de recuperação judicial.
A Latam disse que se comprometeu em fornecer à Avianca Brasil empréstimos no valor de pelo menos 13 milhões de dólares para financiar, em parte, o capital de giro e apoiar a continuidade das operações.
Em março, o presidente-executivo da Azul, John Rodgerson, tinha afirmado que acreditava ser improvável que Latam ou Gol pudessem participar de um processo de venda de ativos da Avianca diante de possíveis preocupações de autoridades de defesa da concorrência. Mas a divisão da Avianca Brasil em parcelas menores pode ajudar as duas companhias a evitar problemas antitruste.







 



Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br ou www.guialog.com.br .